28/09/2021 às 15h52min - Atualizada em 28/09/2021 às 16h10min

Como o FLoC pode ser usado?

SALA DA NOTÍCIA Victor
 

Na mesma medida em que as plataformas digitais passaram a contar com um número enorme de usuários, os métodos de segurança ligados à coleta de dados também precisaram ser aperfeiçoados. Em meio ao assunto surge o chamado modelo FLoC.

 

Por contarem com uma grande quantidade de acessos, os meios digitais tornaram-se ambientes ideais para os quais o mercado publicitário pode se aproximar do público, criando ações específicas, segmentadas para cada audiência presente.

A relação entre a coleta de dados e a privacidade

Durante anos essa coleta de informações era feita por meios de cookies, arquivos que são instalados em seus dispositivos ao acessarem sites específicos, e através desse monitoramento tornou-se possível definir os interesses e necessidades do usuário.

 

É um sistema que permite descobrir se um visitante de um site de produtos de limpeza andou pesquisando por “água sanitária SP”, o que permite que essa mesma loja virtual desenvolva ações particulares para esse usuário que apresenta tal necessidade.

 

Nesse caso, com a distribuição de anúncios publicitários nas plataformas acessadas pelo usuário, com comunicações que alertem sobre os produtos presentes no catálogo de mercadorias desse comércio digital, assim como o seu sistema de entregas nacional.

 

Se para o mercado o uso de cookies parecia ser incrivelmente benéfico, ajudando a conhecer melhor o seu público, para os usuários a situação acaba sendo um pouco diferente, principalmente por causa das questões de privacidade.

 

De fato, por meio dessa análise a navegação do usuário pode ser aprimorada, recebendo anúncios e peças de comunicação que se adequam aos seus interesses, contudo, isso também pode significar uma invasão da sua vida particular.

 

Além disso, pode ser o caso de um empreendedor que pesquisa por piso autonivelante pu, enquanto pensa em reformar o seu negócio, com uma expansão da área de estacionamento, por exemplo, mas sem chamar a atenção de outros sócios.

 

Afinal, ninguém quer estar em uma reunião e receber anúncios semelhantes a esse tipo de pintura, podendo alertar os outros membros da empresa sobre o tipo de planejamento que o presidente tem para a companhia, mesmo ainda sendo uma ideia vaga no momento.

 

Esse monitoramento mais específico é realizado em grande parte pelos cookies terceiros, desenvolvidos por plataformas de anúncio, que continuam a analisar a navegação do usuário, mesmo quando eles se direcionam a outro site.

 

Diferentes dos cookies primários, relacionados à navegação do site em si, monitorando as páginas acessadas de uma loja virtual, o tempo que uma porta de aço de enrolar permanece no carrinho de compras antes da compra ser concluída ou abandonada.

 

Isso além de outras questões pessoais, como uma pesquisa por tratamentos médicos ou por assuntos que interessam aos usuários em uma esfera privada.

 

E foi por questões assim que a atuação dos cookies passou a ser questionada pelos órgãos competentes em defesa dos consumidores.

Regulação dos cookies

Com o intuito de regular o uso desses programas, diversos países passaram a contar com leis e regulamentos que passaram a monitorar os próprios serviços de monitoramento, garantindo que o usuário tenha uma completa noção dos dados que ali compartilha.

 

Em resposta a isso, tornou-se comum o movimento de acessar um site pela primeira vez e ele informar, por meio de um anúncio em pop-up, sobre os cookies de navegação ali presentes, e caso o usuário queira negar a permissão desses dispositivos.

 

No Brasil foi instaurada a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), com objetivo de regulamentar essas ações na internet, principalmente com o processo de comercialização que se tornou maior nessas plataformas nos últimos anos.

 

A LGPD acaba fazendo um trabalho similar aos sistemas fiscais de lojas físicas, permitindo que um escritório que trabalha com a locação de caçamba estacionaria para o setor de construção que realize seus serviços de forma legalizada ao consumidor.

 

Em busca de responder a esse novo anseio da sociedade e do mercado por práticas mais seguras de coleta de informações, as empresas de tecnologia começam a pensar em novas alternativas de analisar o público, com o início desse processo de término dos cookies.

 

Com base nessa nova realidade, o Google, uma das empresas de tecnologia que mais lida com a questão dos cookies, sendo o maior site de buscas disponível no mercado, passou a desenvolver um novo modelo de coleta de dados, o chamado sistema FLoC.

As características do novo método de rastreamento

A diferença entre os cookies e o FLoC começa pela própria concepção dos mesmos, pois enquanto um cookie é um arquivo criado pelos sites, nos quais os dados do usuário são reunidos, para uma navegação personalizada, o FLoC é um sistema estratégico.

 

A sigla, que significa Federated Learning of Cohorts (FLOC), é um conjunto de estratégias que apresentam um sistema de aprendizagem, estudando as ações dos usuários não mais em um campo individual, mas sim em um aspecto coletivo, prometendo uma maior privacidade.

 

Dessa forma, ao invés de monitorar as ações de um visitante em um site, o FLoC estuda um conjunto de Cohort, um conceito conhecido pela área de programação como um conjunto de pessoas que podem ser agrupadas como base em um evento específico.

 

Pensando no ambiente digital, esses grupos podem ser reunidos entre usuários que pesquisam por “bronze alumínio preço”, ou por aqueles que consomem um conteúdo específico, como canções de um estilo musical ou matérias de um tema em particular.

 

O FLoC reúne um grupo de usuários em relação ao seu estilo de navegação e, a partir dessa conexão, desenvolve ações comerciais, como o direcionamento de assuntos, de acordo com os interesses desse coletivo em si.

 

A promessa do FLoC é substituir o monitoramento individual, o que promete refinar o processo de navegação dos usuários em relação aos quesitos de segurança e privacidade, mas esse sistema ainda levanta dúvidas entre os especialistas do mercado.

FLoC: incertezas e possibilidades

Ao invés de contar com os dados recolhidos por cookies terceiros, uma das propostas do FLoC é reunir no próprio navegador um conjunto de informações sobre os hábitos de pesquisa e navegação do usuário, criando assim uma espécie de rótulo.

 

Esse rótulo, como o de usuários em busca de materiais relacionados ao meio da construção e reforma, é o que seria repassado para os serviços de marketing, para que uma fábrica de automatizadores para portões possa criar um anúncio especializado para esse grupo.

 

Se esse novo sistema parece ser positivo à primeira vista, muitos estudiosos do mercado comercial, além do setor de tecnologia, ainda se mostram receosos com o assunto, já que esse caráter coletivo pode prejudicar a construção de uma comunicação personalizada.

 

Afinal, como desenvolver estratégias de remarketing, ou seja, atingir um público que já foi alcançado por anúncios comerciais, sem o conhecimento sobre o seu comportamento individual nas redes?

 

Outro problema seria a generalização da audiência, indo em desencontro a pluralidade de assuntos pesquisados por um indivíduo, pois o mesmo usuários que se interessa por tecido para decoração de eventos, também pode consumir conteúdos esportivos.

 

Por outro lado, o sistema FLoC permite uma certa privacidade nesse assunto, ao não liberar para essas diferentes empresas a relação entre possíveis grupos cohortes, respeitando a intimidade do usuário.

 

Por ser uma ferramenta nova, em processo de implementação, ainda não existem muitos estudos sobre esse sistema de monitoramento, mas isso não significa que o seu negócio não pode começar a se preparar para uma possível transição, deixando os cookies de lado.

Como preparar o meu negócio para o sistema FLoC?

Para se preparar para o futuro, é importante conhecer as plataformas presentes, estudando a relação entre os sistemas de monitoramento e anúncio realizados por programas como o Google Ads e Facebook, e como eles se relacionam com os cookies.

 

Falando do Google, por ser a empresa por trás dessa empreitada tecnológica, a mesma já disponibiliza para o público diversos artigos relacionados ao assunto, informando com plataformas como o Google Analytics irá funcionar com esse novo meio de monitoramento.

 

Algo necessário para uma empresa que realiza conserto de aparelhos mecânicos, e que terá que lidar com uma configuração diferenciada das suas palavras-chave, para garantir que um grupo que pesquise por manutenção rompedor encontre os seus serviços.

 

Junto disso também é preciso repensar como será feita a comunicação entre cada navegador, pois não são todos que se mostraram positivos com essa nova técnica de monitoramento.

 

Entre os navegadores mais utilizados na internet se destacam:

 
  • Google Chrome;
  • Microsoft Edge;
  • Mozilla Firefox;
  • Safari;
  • Internet Explorer;
  • Opera.
 

Portanto, se o foco do sistema FLoC é reunir as estratégias de análise dentro do próprio navegador, é importante conhecer as particularidades de cada um, pois mesmo aqueles que não se mostraram positivos ao novo sistema, devem desenvolver novos métodos de estudo.

 

Isso por causa da desconfiança geral que o mercado e os consumidores passaram a apresentar em relação aos cookies, e a falta de segurança e privacidade que esses arquivos de monitoramento pessoal apresentam.


Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://itaqueraemnoticias.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp