Bruno Covas visita a Obra Social Dom Bosco

content image

Organização é referência no atendimento a crianças, adolescentes, adultos e idosos na região

O prefeito Bruno Covas visitou na manhã desta quarta-feira (9) a sede da Obra Social Dom Bosco em Itaquera, em especial as obras da paróquia Nossa Senhora Aparecida arquitetada pelo engenheiro Adilson da Silva, percorrendo as suas instalações, muito afável e sorridente, conversou e trocou ideias com os alunos presentes. A organização é referência na região promovendo a formação integral de crianças, adolescentes, jovens, adultos, idosos e famílias por meio de parceria com a Prefeitura de São Paulo. Durante a visita, que também contou com a participação dos secretários municipais Aline Cardoso (Trabalho), Cid Torquato (Pessoa com Deficiência), Eloísa Arruda (Direitos Humanos) e José Castro (Assistência Social), o prefeito conheceu as salas onde pessoas com idades variadas entre 15 e 59 anos são capacitadas em cursos profissionalizantes que são promovidos semestralmente nos Centros de Desenvolvimento Social e Produtivo para Adolescentes, Jovens e Adultos (CEDESP). Segundo o fundador da organização, padre Rosalvino Morán Vinãyo, a história da Obra Social Dom Bosco tem uma ligação muito forte com a família do prefeito Bruno Covas. “Seus avós {Lila e Mário Covas} me auxiliaram muito quando cheguei em Itaquera em 1981 para cuidar da juventude da Zona Leste. Eu não tinha muito o que fazer e oferecer, mas eles foram os propulsores e incentivadores dessa obra que hoje é um modelo não só para Itaquera”, destaca. São mais de 40 cursos nas áreas de confeiteiro, padeiro, cozinheiro industrial, desenhista mecânico, mecânico de usinagem convencional, figurinista, editor de vídeo, editor de projetos visuais gráficos, eletricista instalador predial de baixa tensão, marceneiro, reparador de computador, operador em linha de montagem de equipamentos eletroeletrônicos, pedreiro, entre outros cursos. “Algumas empresas vem buscar nossos alunos que ainda nem finalizaram os cursos como o pessoal da mecânica, da marcenaria e da mecatrônica onde a procura e a demanda é muito grande. Além disso, também temos os alunos que viram empreendedores”, finaliza o padre. Além dos cursos profissionalizantes, a organização também possui outras parcerias com a Prefeitura de São Paulo em serviços como Centro para Crianças e Adolescentes (CCA), Núcleo de Convivência de Idosos (NCI), Serviço de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes (SAICA), Medidas Socioeducativas em Meio Aberto (MSE) e o Circo Social. Os cursos são direcionados à pessoas de famílias que vivem em situação de risco e vulnerabilidade social na região, e os interessados em participar das próximas turmas devem comparecer com o RG na rua Álvaro de Mendonça, 456 – Itaquera, de segunda a sexta-feira, das 9h às 21h, ou aos sábados, das 8h às 16h, para retirar a ficha de inscrição. Candidatos beneficiados ou com perfil de recebimento dos programas de transferência de renda, como o Bolsa Família, e residentes em Itaquera terão prioridade no processo.
Samba da Leandro 
e a Travessia da Fé

O prefeito Bruno Covas tem um estreito relacionamento com Itaquera, com a Escola de Samba Leandro de Itaquera e com a Obra Social Dom Bosco. No carnaval de 2002, a Leandro prestou uma homenagem póstuma à Mário Covas, seu avô, saindo no Sambódromo com o samba tema “Mário Covas, São Paulo, Brasil, Meu orgulho, Meu amor de autoria de Medonha, hoje assessor da vereadora Sandra Tadeu. Bruno Covas, seu tio Zuzinha (hoje vereador), seu irmão Gustavo, sua mãe Renata, sua avó Lila Covas e a diretoria do PSDB, saíram no sambódromo entre os 3200 figurantes da Leandro em glorioso e impecável desfile. A Leandro ficou em 6º lugar naquele ano de 2002, pois, vieram descobrir que entre os jurados havia “alguns petistas” que segundo o presidente Leandro Alves Martins, “sacanearam a Leandro, merecíamos o primeiro lugar”, disse. Já a Travessia da Fé foi idealizada pelo padre Rosalvino no ano de 2001 para dar apoio espiritual ao então governador Mário Covas Junior, que estava hospitalizado padecendo de um câncer. Desde então o padre Rosalvino e um grupo de peregrinos realizam todos os anos a caminhada motivada pela fé e gratidão a Nossa Sra. Aparecida, onde já é costume os peregrinos serem recebidos no Santuário pela esposa do governador (na 18ª Travessia da Fé foram recebidos pela primeira Dama Lu Alckmin) e pelo pároco local, onde o padre Rosalvino encerra a peregrinação com uma missa solene abençoando a todos os presente e orando pela alma de seu amigo Mário, que o chamava de “Santo padre.”