Loja Maçônica

content image

Dia 28 de abril, a Augusta e Respeitável Loja Maçônica “Luzes do Oriente” 357, em sessão especial abriu suas portas para receber o público profano para a comemoração do “Dia das Mães”. Idealizado pelo Mestre Maçom Grau 33º, o médico Antônio Carlos da Silva, uma ritualística especial com o fito de homenagear  todas as mães do Brasil, através da pessoa de Maria Angela Manzione Giavarotti, doadora de um de seus rins para salvar a vida de seu filho. A abertura dos trabalhos  se deu com a explanação inicial estabelecendo uma relação com a mãe : “ Que o homem sempre admirou e amou as flores! Seu cultivo nos jardins ou nos vasos dentro de casa decora e alegra o ambiente. A antiga linguagem das flores ainda vive através dos costumes de oferta-las como sinal de afeto, simpatia ou desejo de felicidades. Por sua beleza, inspiram obras literárias, poéticas e musicais, e servem de tema a grandes pintores. Acreditamos que todos os dias são dias das mães, porque é justamente no dia a dia que as mães constroem essa imagem de criadora, tão agradável aos olhos de Deus, que as vezes oferece à algumas mulheres a oportunidade de dar a vida paras eu próprio filho!   Todos os dias são dias das mães, mas, hoje é o dia que dedicamos para falar delas, para refletirmos juntos sobre o papel da mulher, como o primeiro elemento dentro da magia da criação, aquela que se debruça noite a dentro na proteção de seus filhos.”
Origem
A mais antiga comemoração do dia das mães é mitológica. Na Grécia antiga, a entrada da primavera era festejada em honra de Rhea, a Mãe dos Deuses. Nos Estados Unidos, as primeiras sugestões em prol da criação de uma data para a celebração das mães foi dada pela ativista Ann Maria Reeves Jarvis, que fundou em 1858 os Mothers Days Works Clubs com o objetivo de diminuir a mortalidade de crianças em famílias de trabalhadores. Jarvis organizou em 1865 o Mother’s Friendship Days (dias de amizade para as mães). Reconhecida como idealizadora do Dia das Mães na sua forma atual, a metodista Anna Jarvis, que em 12 de maio de 1907, dois anos após a morte de sua mãe, criou um memorial à Ela e iniciou uma campanha para que o “Dia das Mães” fosse um feriado reconhecido. Ela obteve sucesso ao torná-lo reconhecido nos Estados Unidos em 9 de maio de 1914, instalando o segundo domingo do mês de maio como Dia das Mães. No Brasil, coube à Associação Cristã de Moços do Rio Grande do Sul (ACM-RS) a iniciativa da comemoração. A data foi trazida ao Brasil pelo então Secretário-geral da instituição, Frank Long. A primeira celebração no país ocorreu em 12 de maio de 1918, em Porto Alegre. Aos poucos, a festividade foi se espalhando pelo país e, em 1932, o então presidente Getúlio Vargas, a pedido das feministas da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino, oficializou a data no segundo domingo de maio. A iniciativa fazia parte da estratégia das feministas de valorizar a importância das mulheres na sociedade, animadas com as perspectivas que se abriram a partir da conquista do direito de votar, em fevereiro do mesmo ano. Em 1947, Dom Jaime de Barros Câmara, Cardeal-Arcebispo do Rio de Janeiro, determinou que essa data fizesse parte também no calendário oficial da Igreja Católica.