Bruno Covas prefeito; conheça a trajetória do novo administrador da cidade

content image
Eleito deputador estadual em 2006 com 122 312 votos, foi considerado pelo Movimento Voto Consciente, o deputado mais atuante da legislatura (2007/2010)

Por formação, Bruno Covas é advogado e ecominista, filiado ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Foi Secretário de Meio Ambiente do estado de São Paulo e presidente do Juventudo do PSDB. Em 2015 foi subrelator da Comissão Parlamentar de Inquérito da Petrobras e membro da Comissão Especial da Maioridade Penal

Vem trabalhando com João Doria desde o início da gestão atual. Neto do ex-governador de São Paulo Mário Covas, Bruno Covas foi desde criança ligado à política. Estudou nos colégios Carmo e Lusíadas em Santos. Em 1995, quando foi estudar em São Paulo, no Colégio Bandeirantes, teve a oportunidade de morar com o avô. É graduado em Direito, pela USP (1998-2002), e em Economia, pela PUC-SP (1998-2005).
Filiou-se em 1998 ao PSDB e em 1999, foi eleito o Primeiro Secretário da Juventude do Partido. Em 2003, foi eleito presidente estadual e já foi também presidente nacional da Juventude Tucana, em 2007, permanecendo no cargo até 2011.
A sua carreira começou em 2004, ano que que se candidatou a vice-prefeito de Santos na chapa de Raul Christiano pelo PSDB. Nos anos de 2005 e 2006, foi assessor da liderança dos Governos de Alckmin e Cláudio Lembo na Assembleia Legislativa. Em 2006, foi candidato a Deputado Estadual, sendo eleito com 122 312 votos, umas das maiores votações naquela eleição. Em 2010, foi novamente candidato a Deputado Estadual agora sendo o mais votado do Estado com 239 150 votos, sendo mais de 131 mil só na capital paulista. Bruno Covas foi convidado por Geraldo Alckmin para assumir a Secretaria do Meio Ambiente, a partir do início de 2011, ocasião em que se licenciou do cargo de deputado estadual.
Eleito deputado estadual em 2006 com 122 312 votos, foi considerado pelo Movimento Voto Consciente, o deputado mais atuante da legislatura (2007/2010).
Foi presidente da Comissão de Finanças e Orçamento no primeiro biênio (2007-2008) e relator do Orçamento do Estado por dois anos consecutivos (2009-2010). Integrou ainda as Comissões de Direitos Humanos e de Defesa dos Direitos do Consumidor e foi presidente da Frente Parlamentar de Apoio à Comunidade Luso-Brasileira e Coordenador da Frente DST-Aids. Foi relator de mais de 180 projetos de lei, como a Nota Fiscal Paulista, que diminui a carga tributária e devolve tributo diretamente para o cidadão, e foi presidente da CPI do ECAD, relator da CPI da CDHU e membro da CPI da BANCOOP. Em 2011, assumiu a Secretaria do Meio Ambiente no novo governo de Geraldo Alckmin. Foi eleito deputado federal em 2014, para a 55.ª legislatura (2015-2019). Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff. Já durante o Governo Michel Temer, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.